O papel da escola é superimportante em exercer um ambiente educativo, em todos os aspectos, inclusive na alimentação.

Com as aulas presenciais a busca por lanches saudáveis, porém práticos, aumentam! Muitos pais não conseguem dedicar tempo para preparo de muitos lanches e, além disso, buscam variedade.

Mas montar uma lancheira saudável pode não ser uma tarefa tão simples assim, pois, além de exigir criatividade, é preciso também ser prático, fugir da monotonia e ser equilibrado em termos de nutrientes.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 35% das crianças de 5 a 9 anos sofrem com sobrepeso e 16% já são classificadas como obesas. Isso representa 1 a cada 3 crianças com excesso de peso. Ainda segundo a OMS, estima-se que em 2030, o Brasil deverá ocupar o 5º lugar no ranking dos países com maior número de crianças e adolescentes com obesidade. Por isso da importância à atenção da alimentação da criançada.

Mas é somente na escola que devemos nos preocupar como esta sendo a alimentação da criança?

A alimentação da criança, na fase escolar, deve ser o reflexo do que é consumido em casa, do hábito alimentar. Na fase pré-escolar, que contempla de 2 a 6 anos, a criança passa pela formação de seus hábitos alimentares e ela deve ser estimulada pelos pais. A criança irá se espelhar no hábito alimentar e estilo de vida dos pais. Já na fase escolar, de 7 a 10 anos, é a fase de socialização mais intensa. A criança se torna mais independente dos pais em relação às escolhas alimentares. Por isso da importância de assegurar e reforçar a sua responsabilidade na seleção e consumo de alimentos saudáveis.

E a oferta de nutrientes de forma adequada na infância é extremamente importante para a promoção da saúde, um bom funcionamento do organismo, obter uma oferta adequada de vitaminas e minerais, um crescimento e desenvolvimento adequado, assim como o desenvolvimento cognitivo e aprendizado. Além de prevenir problemas de saúde a longo prazo, como doenças cardíacas, câncer, diabetes, hipertensão, osteoporose e outras.

Mas o que deve conter em uma lancheira para que seja classificada saudável?

O que deve compor uma lancheira saudável?

1. Ter sempre uma fonte de líquidos. Como água, água de coco, sucos naturais ou integrais, chás. Mas deve ter atenção ao rótulo! Evite néctar ou bebidas adicionadas de açúcares e/ou adoçantes, corantes, aromatizantes, conservantes.

2. Frutas práticas, que seja possível consumir com casca ou cuja casca pode ser retirada com facilidade, higienizadas e embaladas adequadamente.

3. Carboidratos: esses alimentos são essenciais para fornecer energia. Como os pães 100% integrais, bolos integrais, biscoitos integrais. Lembrando que é um lanche, são pequenas porções!

4. Proteínas: são importantes para o crescimento e desenvolvimento das crianças. Como os queijos (mussarela, ricota, iogurtes), carnes, nuts (castanhas, amêndoas, nozes), sementes (girassol e abóbora) que além de proteínas, são fontes de gorduras boas.

E para finalizar, é extremamente importante armazenar em lancheiras de material térmico, para manter a qualidade nutricional dos alimentos.

Desta maneira, a lancheira terá alimentos de todos os grupos, o que é importante para fornecer energia e os nutrientes necessários para o aprendizado. Sem energia suficiente, pode haver comprometer do desenvolvimento cognitivo das crianças e impactar negativamente no crescimento

Fonte: Priscila Gomes – Nutricionista da Rede Mundo Verde.

Referências:

http://portal.saude.pe.gov.br/sites/portal.saude.pe.gov.br/files/cartilha_-_alimentacao_e_nutricao_no_ambito_do_pse.pdf

Priscila Gomes

Priscila Gomes é nutricionista registrada (CRN-3 29036) Graduada pelo Universidade Paulista. Atua na área de marketing nutricional e funcional na rede Mundo Verde, onde realiza treinamentos de capacitação para equipe de campo nos diferentes estados do Brasil, além do suporte nutricional atrelado a equipe de marketing da empresa.

Deixe uma resposta