Que a prática regular da atividade física previne fatores de riscos de doenças crônicas, todos já sabem, mas que o exercício físico contribui com o sistema imunológico talvez não seja tão óbvio assim.

Incluir uma rotina de atividades físicas regulares pode contribuir com diversos benefícios que vão além da imunidade e são fundamentais para uma vida mais saudável, são eles a melhora da circulação sanguínea, prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares, assim como a prevenção e controle da diabetes, redução da pressão arterial, controle de peso e obesidade, melhora da qualidade do sono, saúde óssea, muscular e articulações, além de bem-estar físico e mental.

O sistema imunológico é uma barreira sofisticada, bastante adaptável. Uma junção de células e moléculas distribuídas por todo o nosso organismo, que são capazes de reconhecer diferentes substâncias nocivas e a partir disso, desenvolver uma resposta eficiente contra esses patógenos, levando a sua destruição ou inativação.

Quando é avaliada junto a prática de exercício físico moderada, o mecanismo do sistema imunológico proporciona ao organismo um aumento dos linfócitos, ou seja, são as células de defesa que cumprem a função de combater e destruir agentes patogênicos, células infectadas por vírus e bactérias. No entanto, a intensidade deve ser moderada, já que exercícios extenuantes podem causar efeito contrário, ou seja, causar a queda do sistema imunológico.

Pesquisas tem mostrado que exercícios promovem uma alteração no equilíbrio da homeostase do nosso organismo, reagindo a uma reorganização da resposta imune. Havendo um aumento permanente nas células do sistema imune.

Alguns suplementos podem ser utilizados para melhorar a resposta imune, como no caso da glutamina. Esse aminoácido é utilizado para a recuperação dos músculos, reduzindo suas concentrações no organismo, o que pode afetar a barreira imunológica intestinal. Ela ainda é utilizada como combustível para linfócitos, macrófagos e fibroblastos, células do tecido conjuntivo e possuem função de defesa.

Assim como as proteínas, essas funcionam como “blocos de construção” no corpo humano, ou seja, são parte fundamental da composição de células e tecidos no organismo, inclusive para o sistema imunológico. Desta forma, são responsáveis pela formação e manutenção da saúde das células que compõem o sistema responsável pela imunidade

Por isso, a dieta deve conter grande variedade de grupos alimentares, a fim de suprir as necessidades nutricionais como as vitaminas, minerais, proteínas, gorduras boas e carboidratos para auxiliar na manutenção das células de defesa e desta forma, proteger o corpo contra infecções e enfermidades.

Referência:

https://www.scielo.br/j/rbme/a/CGmwG98hSB4pmV65hgPtZBR/?lang=pt&format=pdf

Priscila Gomes

Priscila Gomes é nutricionista registrada (CRN-3 29036) Graduada pelo Universidade Paulista. Atua na área de marketing nutricional e funcional na rede Mundo Verde, onde realiza treinamentos de capacitação para equipe de campo nos diferentes estados do Brasil, além do suporte nutricional atrelado a equipe de marketing da empresa.

Deixe uma resposta