Se você já comeu achando que era fome, mas sua “fome” era específica por algum alimento/preparação, então provavelmente você estava apenas com vontade de comer. 

Vamos entender sobre essa diferença?

Fome ou vontade de comer?

fome ou vontade de comer

A fome propriamente é o resultado de uma necessidade fisiológica do organismo de obter nutrientes e se manifesta com um incômodo no estômago, um “ronco”. É um comportamento que nos leva a comer qualquer alimento que seja agradável, no instinto de saciar a fome. 

Já a vontade de comer ou fome emocional, busca-se alimentos simplesmente para tentar preencher o vazio emocional e se sentir melhor, procurando no alimento a sensação de bem estar que está faltando. Envolve fatores como por exemplo: 

  • Hábitos sociais
  • Sentimento de vazio
  • Ansiedade
  • Depressão
  • Doença física
  • Oferta ou restrição de alimentos
  • Comemorações

A fome emocional também pode despertar quando envolvemos as lembranças afetivas que alguns alimentos despertam. Aquele bolinho de chuva que a avó fazia na sua infância ou até mesmo a macarronada aos domingos em família. Quando sentimos vontade de determinado prato por nos lembrarmos de alguma pessoa ou situação que o cérebro registrou como sendo um momento prazeroso e/ou importante. 

Quais são os mecanismos fisiológicos da fome?

A fome é a necessidade fisiológica do organismo de obter alimentos, como combustíveis, para manter as funções vitais do corpo. 

Controlada pelo hormônio grelina, responsável por sinalizar ao cérebro que o corpo precisa de alimento, quando estamos com fome. 

Cerca de 20 minutos após o início da refeição, o cérebro é sinalizado que estamos saciados e que não precisamos mais de comida, por isso é importante se alimentar com calma em um ambiente tranquilo para que você sinta os sinais que seu corpo fornece. 

Desenvolver a inteligência emocional e corporal, ajuda com que as pessoas consigam interpretar os sinais corretos de fome do corpo, para evitar comer em excesso e sim, alimentar para nutrir o corpo. 

Atitudes de autoconhecimento que ajudam no emagrecimento

Confira algumas atitudes para ajudar no autoconhecimento que também trazem benefícios para quem está em processo de perda de peso.

Organização

Planeje suas refeições, tire um dia para organizar quais serão suas refeições. Para dias corridos, deixe pré-preparado e até congele em algumas preparações em porções. 

Antes de iniciar qualquer refeição, se desligue dos problemas, não deixe que o momento de equilíbrio e saúde carregados de sentimentos como tristeza, ansiedade, raiva, outras emoções negativas durante a refeição.   

Mastigue devagar

Sinta todos os sabores presentes no prato. Descanse os talheres a cada garfada. 

Evite o uso de aparelhos eletrônicos durante a refeição

Como celulares e televisão, eles podem dispersar sua atenção, fazendo com que você não sinta os sinais de saciedade que seu organismo enviará. 

Atenção à alimentação

Consuma alimentos fontes de triptofano, precursor da serotonina, que é um neurotransmissor, responsável pela sensação de bem-estar, como: 

  • Feijão
  • Lentilha
  • Grão de bico
  • Ervilha
  • Pinhão
  • Nozes
  • Amêndoas e castanhas
  • Frutas como a banana, a maçã, a ameixa e o cacau

A ingestão de carboidratos complexos aumentam as concentrações cerebrais de triptofano, invista o consumo em cereais integrais como aveia (farelo, flocos, farinha) e arroz integral. 

Caso sinta vontade de petiscar, até entender os sinais do seu corpo, faça lanches intermediários, dessa forma, você poderá evitar episódios de compulsão alimentar. Consuma opções de lanches como: 

  • Snacks à base de frutas
  • Iogurtes (veja lista de ingredientes, evite grandes listas e com ingredientes que desconhece)
  • Chips de coco
  • Cookies integrais ou proteicos
  • Chips de provolone
  • Oleaginosas
  • Crispies de grão de bico e ervilha
  • Chips de mandioca
  • Chips de batata doce
  • Chips de banana verde

Os chips ainda ainda podem acompanhar uma guacamole, hommus, tahine, etc.

A organização da rotina alimentar e o equilíbrio,  ajudarão a criar um hábito alimentar, reduzindo episódios de fome emocional, conhecendo melhor seu corpo, você poderá avaliar se realmente está com fome.  

Referências:

scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932006000100008&lng=en&nrm=iso 

abc.med.br/p/vida-saudavel/1334823/diferencas+entre+fome+e+vontade+de+comer+quais+sao+os+mecanismos+fisiologicos+e+psicologicos+envolvidos.htm

adrianalauffer.com.br/diferenca-entre-fome-desejo-ou-vontade-de-comer/

Priscila Gomes

Priscila Gomes é nutricionista registrada (CRN-3 29036) Graduada pelo Universidade Paulista. Atua na área de marketing nutricional e funcional na rede Mundo Verde, onde realiza treinamentos de capacitação para equipe de campo nos diferentes estados do Brasil, além do suporte nutricional atrelado a equipe de marketing da empresa.

Deixe uma resposta