Treinos individualizados e alimentação balanceada ajudam a ter sucesso na conquista do objetivo 

Começar a fazer um exercício físico, seja para emagrecer, ganhar massa magra ou aumentar a resistência exige determinação e força de vontade. Mas vamos combinar: a maioria das pessoas têm tantos compromissos, que é comum, depois de algum tempo, desanimar. Ajudar a superar este desafio é o papel do Personal Trainer, uma área de especialização do educador físico.

Veja quais são os benefícios, como escolher um personal trainer e qual sua relação com o nutricionista.

Benefícios em ter um Personal Trainer

Caren Lívia, Personal Trainer especializada em treino hiit e treinamento hiit, destaca a importância e os benefícios em ter um educador físico focado apenas em você: 

  • Treinar com um Personal faz com que o seu objetivo – perda de gordura, aumento de massa magra, etc. – seja alcançado mais rapidamente.
  • O treino é mais seguro, pois os movimentos são executados corretamente com o auxílio de um profissional que fará correções na postura e te ensinará a realizar os exercícios com precisão. Treinar corretamente também evita o risco de lesões.
  • O aluno não entrará na famosa “zona de conforto”. Isto porque é comum, quando treinamos sozinhos, não irmos até o nosso limite. O Personal Trainer te impulsionará rumo ao seu objetivo.
  • O Personal ajudará o aluno a ter mais comprometimento com os treinos, afinal eles serão mais dinâmicos e agradáveis, sempre fugindo da monotonia. Isto significa que os exercícios serão estruturados por um período curto de tempo, fazendo com que o aluno não canse ou desista da atividade que se propôs a praticar.
  • Os treinos são criados individualmente, levando em conta restrições, avaliação física, etc.  

Xô, sedentarismo

Sabemos que o sedentarismo é um problema de saúde pública. Ele pode causar alguns distúrbios, como aumento do peso corporal, colesterol elevado, alto teor de gordura no fígado, entre outros. 

Caren Lívia sugere que, antes de iniciar a atividade física, o ideal é procurar um Médico e realizar exames de rotina para saber se já pode começar a praticar esportes. 

Exames em mãos, a dica é estabelecer metas. “Defina seu o principal objetivo. Perder peso? Aumentar sua resistência? É preciso ter este foco estabelecido”, explica. Também é importante escolher uma atividade que a pessoa goste, além de começar aos poucos. “Respeite seus limites. Aos poucos, seu condicionamento físico irá melhorar e você poderá aumentar a intensidade do treinamento”, afirmou a Personal Trainer.

Outra dica importante da profissional: é necessário gerar hábito.

Estudos atuais mostram que para manter um hábito é preciso fazer uma atividade por 90 dias diretos, pelo menos 5 dias na semana e sempre no mesmo horário. Horários diferentes desmotivam, por isso é importante manter a mesma rotina, afirmou.

Como escolher um bom profissional

Educadores físicos não faltam no mercado fitness. Mas como escolher o melhor? Caren sugere, em primeiro lugar, verificar se o profissional tem formação em Educação Física e se é habilitado no CREF (Conselho Regional de Educação Física). 

É importante também analisar se a especialização daquele profissional se encaixa com o seu objetivo. Outra dica de ouro da expert é analisar o comportamento do Personal Trainer enquanto ele atua, confira quais pontos se atentar, segundo Caren:

  • Veja como ele se comporta quando está com algum aluno. Ele mostra interesse, corrige a postura e elogia os acertos? 
  • Se puder, pergunte também aos alunos que fazem aula com este profissional e qual a opinião deles. 
  • Analise se o valor cobrado está de acordo para este tipo de trabalho. 
  • Verifique se a disponibilidade de horário é compatível com a sua rotina.

Para fechar com chave de ouro, a dica é bater um papo com o profissional que você está interessado em contratar. É nesta hora que você poderá tirar dúvidas e observar se o Personal Trainer transmite conhecimento, credibilidade e segurança para atuar.

Personal Trainer x Nutricionista

Vale lembrar que somente um nutricionista pode montar um programa alimentar individualizado, até porque seguir uma dieta indicada por quem não tem esta formação pode trazer riscos para a saúde. 

O educador físico só poderá prescrever uma dieta se tiver uma graduação nesta área, por isso o ideal é procurar um nutricionista para montar um cardápio individualizado, respeitando a atividade que a pessoa pratica e a necessidade alimentar que ela precisa suprir. Sem este auxílio, a pessoa poderá não ter energia para treinar, sentindo-se fraca, cansada, com dor no corpo, entre outros sintomas. 

Desta forma, apesar do Personal Trainer não interferir no cardápio do aluno, seu trabalho complementa o da nutricionista.

Com o trabalho das duas áreas a pessoa conseguirá atingir o objetivo. Não adianta só treinar ou só ter seguir uma alimentação balanceada. É preciso ter um equilíbrio entre essas duas coisas, explica Caren.

Mas qual o papel do Personal neste sentido? Caren explica que ele deve ajudar motivando o aluno.

Se o aluno sair da dieta, é importante reforçar que amanhã é um novo dia e que ele terá uma nova chance para fazer tudo certo. Também é importante frisar que se ele não se alimentar direito, não conseguirá atingir seu objetivo. O Personal Trainer tem um papel de conscientização e orientação do aluno, completa Caren Lívia.

Deixe uma resposta