Conheça os antioxidantes e seus benefícios.

Não é à toa que, hoje, o termo “antioxidante” é recorrente no vocabulário de quem busca uma alimentação saudável. E muito além do vocabulário, os antioxidantes são extremamente necessários para que ocorra o bom funcionamento do organismo, além da prevenção de doenças. Mas antes de falar por que você deve incluir alimentos ricos nestas substâncias no cardápio, é necessário entender o que, de fato, são os antioxidantes.

Na maioria das vezes as explicações são muito científicas, então vamos tentar simplificar: as nossas células são alvos de agressões diárias, que são capazes de fazê-las envelhecer e adoecer. Essas agressões são provocadas por substâncias chamadas radicais livres, que são geradas por meio do oxigênio da respiração. O resultado dessas agressões pode ser o desenvolvimento de doenças, como a aterosclerose, a obesidade, o diabetes, a hipertensão e o desenvolvimento de doenças degenerativas, como o Alzheimer, o Parkinson e alguns tipos de câncer.

O papel dos antioxidantes, portanto, é proteger as células sadias do organismo contra a ação oxidante dos radicais livres, prevenindo o desenvolvimento desses problemas, além de muitos deles contribuírem para a saúde da pele, e este é o motivo de estarem presentes também em alguns produtos cosméticos.

Infelizmente, como podemos observar, não é possível impedir a formação de radicais livres no organismo, porém, é possível e necessário aumentar a nossa defesa antioxidante. E como fazer isso?

Alguns alimentos, como frutas e vegetais, vinhos, castanhas e cereais, peixes, azeites, óleos vegetais e alguns tipos de chás (chá-verde, chá branco e hibisco são alguns exemplos), são ricos em compostos antioxidantes e podem nos ajudar nessa defesa contra os radicais livres. Esses alimentos são ricos em substâncias, como as vitaminas E, A, C e do complexo B, além de minerais, como zinco e selênio.

Também temos outros antioxidantes, como o betacaroteno e o licopeno, antioxidantes e corantes naturais, encontrados em alimentos avermelhados, alaranjados e amarelados, como cenoura, tomate, laranja, pêssego e abóbora, por exemplo. Além disso, o betacaroteno pode ajudar a melhorar a vitalidade da pele. A curcumina é um pigmento antioxidante que ocorre naturalmente nas raízes da cúrcuma (ou açafrão), muito usada como tempero na culinária indiana.

Os flavonoides são substâncias produzidas naturalmente nos vegetais capazes de inibir a atividade das enzimas responsáveis pela produção dos radicais livres, evitando, portanto, sua formação. São encontrados em alimentos, como uva, morango, maçã, romã, mirtilo (blueberry), framboesa e em outras frutas de coloração avermelhada; brócolis, espinafre, salsa e couve; nas nozes, soja, linhaça; bebidas, como vinho tinto, chás e café; chocolate (sem adição de açúcar e com porcentagem de cacau superior a 70%) e mel.

Existem diversas outras substâncias antioxidantes, presentes em diversos alimentos. Por exemplo, em frutas, como framboesa e romã, é possível encontrar substâncias, como o ácido elágico, antioxidante capaz de reduzir a desagregação do colágeno no organismo, contribuindo para a manutenção da integridade da pele.

Os estudos mostram que a nossa dieta geralmente é pobre em antioxidantes e contém muito açúcar, gordura saturada e álcool. A dieta chamada mediterrânea (comum em Países da região do Mediterrâneo) é rica em azeite, frutas, legumes, nozes, feijão e quantidades moderadas de vinho, além de ter um consumo mais elevado de peixes, ao invés da carne vermelha. Pesquisas mostram que as pessoas que seguem essa dieta têm menores taxas de declínio cognitivo e um menor risco de desenvolver a doença de Alzheimer à medida que envelhecem.

Os estudos com nutrientes que contribuem para a longevidade estão avançando cada vez mais e isso é importante para conhecermos melhor as substâncias e seus efeitos sobre o organismo. Além disso, a mudança de hábitos, a prática de atividade física regular e a inclusão de alimentos ricos em antioxidantes diariamente são necessárias para melhora na qualidade de vida e prevenção de doenças.

Fonte: Priscila Teles – Nutricionista