20 de August de 2014

Saúde do intestino

Postado por: Mundo Verde em 20 de agosto de 2014

Sabemos que a saúde intestinal é fundamental para o nosso bem-estar, pois, além de realizar as funções digestivas, o intestino é um órgão com funções importantíssimas na defesa do organismo, tendo a mucosa intestinal aproximadamente 60% das células imunes do organismo. A flora intestinal exerce papel importante tanto na saúde quanto na doença. Atualmente, práticas alimentares menos saudáveis, associadas ao consumo de alimentos cada vez mais processados, alteram o equilíbrio da flora intestinal, que é extremamente vulnerável, nos prejudicando e expondo de forma mais efetiva às ameaças. Manter o equilíbrio apropriado pode ser assegurado por meio da suplementação com probióticos e prebióticos.

Por isso, explicamos aqui a diferença entre probióticos, prebióticos e simbióticos, para que você mantenha a saúde intestinal em dia.

shutterstock_175231781

Probióticos

São microrganismos que quando ingeridos em quantidade suficiente, promovem o equilíbrio da flora intestinal. Sendo assim, residem em nosso intestino e podem ser encontrados em alimentos como iogurtes, leite fermentado e em suplementos em cápsula ou em pó.

 

 

Prebióticos

São componentes alimentares não digeríveis que afetam beneficamente o organismo por estimularem seletivamente o crescimento e a atividade da população de bactérias do cólon. Existem dois tipos de fibras: as solúveis, presentes na fruta, aveia e cevada, assim como nas leguminosas, e que são normalmente fermentadas rapidamente, e as insolúveis, que são lenta ou apenas parcialmente fermentadas e estão presentes em hortaliças e cereais integrais. Existem ainda produtos prontos em pó, como a inulina e os fruto-oligossacarídeos, que são fibras solúveis e fermentáveis e representam os principais suplementos prebióticos.

 

Simbióticos

Atualmente no mercado há os simbióticos, em que um probiótico e um prebiótico estão combinados. O equilíbrio pode ser assegurado associando a dieta a suplementação com probióticos e prebióticos.

 

 

Fonte: Mundo Verde

Almoçar fora

Postado por: Mundo Verde em 18 de agosto de 2014

Hoje em dia, almoçar fora é muito comum. Com a vida cheia de atividades, fica difícil se organizar para comer de maneira saudável na hora do almoço. No país, 31% da população consome comida na rua semanalmente. Porém, a oferta de alimentos muito calóricos e de baixo valor nutritivo nesses estabelecimentos é tentadora. E seu consumo a longo prazo pode acarretar em deficiências nutricionais, obesidade e doenças como hipertensão, diabetes, entre outras. Pensando nisso, elaboramos algumas dicas que ajudarão em escolhas inteligentes nas refeições fora do lar.

shutterstock_102158053

Escolha um local tranquilo. Lugares com tv e muito barulho fazem com que você fique distraído e coma mais.

Seja o primeiro a pedir.  Para contornar a tentação de prato menos saudáveis, faça primeiro o seu pedido e mantenha-se firme na proposta de uma opção que contribuirá para a sua saúde!

Faça do seu jeito. Não tenha medo de fazer pedidos especiais! Por exemplo, pedir que o alimento seja servido com o mínimo de manteiga ou óleo; que venha sem sal para que você adicione a quantidade desejada na sua comida e assim por diante.

Fuja das entradas.  Bandejas de aperitivos são normalmente carregadas de gordura.

Comece pela salada. Mas cuidado: ela pode ser a melhor amiga ou inimiga da sua refeição, dependendo de como você irá temperá-la. Evite molhos à base de queijo, que contenham bacon, além de croutons. Prefira azeite de oliva extravirgem (além de muito saboroso é rico em gorduras monoinsaturadas, que ajudam a modificar a distribuição de gordura corporal, favorecendo o menor acúmulo na região abdominal), vinagre ou até mesmo umas gotas de limão.

Cuidado com as bebidas. Elas também podem ser grandes vilãs de uma dieta. Beber água é bom, mas nunca junto com a refeição. Em outros momentos, sucos e água de coco também são boas pedidas.

 

 

Fonte: Mundo Verde

Carboidratos

Postado por: Mundo Verde em 15 de agosto de 2014

Muitos praticantes de atividades físicas não comem carboidratos o suficiente pois temem o aumento de peso. Quando o assunto é aumento de massa muscular ou diminuição do percentual de gordura, os carboidratos são vistos como vilões. Entretanto, em termos de atividade física, este nutriente merece atenção especial.

Dentre as diversas funções dos carboidratos, a que merece mais destaque para os que praticam esportes é a produção de ATP (trifosfato de adenosina), considerado o combustível do organismo. Os carboidratos devem ser priorizados como principal fonte de energia pro organismo, pois liberam uma grande quantidade de energia importante para a execução de movimentos, como a contração muscular.

shutterstock_140980954

A porcentagem de carboidratos dentro de uma dieta deve ser de 65%. Ao serem consumidos, os carboidratos são digeridos até serem transformados em glicose. São estocados como glicogênio, principalmente no fígado e no músculo para serem utilizados quando o organismo necessitar de energia. Porém, estes estoques são limitados, e vão diminuindo durante o exercício, justificando a necessidade de reposição destas reservas energéticas através do adequado consumo de alimentos fontes de carboidratos. Quando o consumo de carboidratos é insuficiente, o desempenho física, principalmente a anaeróbica, é reduzida.

Vale lembrar que a intensidade do exercício, o tipo de modalidade e a alimentação individual são alguns fatores que determinam a durabilidade dos estoques de glicogênio muscular. Uma boa pedida é incluir na refeição pós-treino salada de frutas com mel orgânico para auxiliar na reposição do glicogênio muscular. Vale ressaltar ainda que após a atividade física devemos consumir não somente carboidratos, mas também proteínas para auxiliar na reparação tecidual do músculo.

 

Fonte: Mundo Verde

Pré-treino e pós-treino

Postado por: Mundo Verde em 13 de agosto de 2014

Pré-treino

Antes do exercício físico devemos priorizar o consumo de alimentos ricos em carboidratos. Esse nutriente é responsável por garantir o fornecimento de energia para praticar o exercício físico, além de evitar a perda de massa muscular. Para alimentação antes do exercício físico é importante programar-se e realizá-la cerca de 1 hora antes da atividade física. Devemos evitar alimentos refinados, rico em açúcares e também aqueles ricos em gordura, pois podem causar desconforto gástrico e náuseas.

 

shutterstock_120121390

 

Opções pré-treino:

- Salada de frutas com aveia em flocos

- Sucos de frutas naturais adoçados com agave

- Torradas integrais com azeite de oliva extravirgem

- Pão integral com tahine

- Mingau de quinua com nozes

 

Pós-treino

Após a realização do exercício é importante repor a energia que foi gasta durante a atividade bem como auxiliar na recuperação/reparo da musculatura. As proteínas são de extrema importância para aqueles indivíduos que buscam ganho de massa muscular, já que é utilizada para a síntese protéica que ocorre no período pós-atividade física.

Opções pós-treino:

- Sanduíche de pão integral com queijo branco

- Massa integral com molho de tomate

- Arroz integral com oleaginosas

- Iogurte natural com granola e mel

- Frutas in natura com aveia

 

 

 

Fonte: Mundo Verde

 

 

Ioga

Postado por: Mundo Verde em 11 de agosto de 2014

Muitos idosos se perguntam como podem levar uma vida mais saudável sem colocar sua saúde em risco. Uma modalidade muito procurada é a ioga, que é a solução para quem deseja tanto benefícios físicos quanto mentais. A ioga trabalha a concentração, exercícios de respiração, o autocontrole e alguns movimentos de alongamento.

O equilíbrio é essencial para pessoas mais idosas, já que quedas podem ser mais comuns nessa fase. Além disso, os exercícios de postura podem favorecer quem possui dores na coluna e minimizar qualquer desconforto, e a ioga ajuda a prevenir doenças por fortalecer o sistema imunológico e ampliar a sensação de bem-estar.

shutterstock_146933021

Exercícios como o Sukshma Yoga podem ser praticados até mesmo de forma independente, em apenas 30 minutos. Esse tipo de exercício é simples e suave e exercita o pescoço, pés, joelhos, tornozelos e quadris. Vale lembrar que praticar ioga não deve ser uma atividade dolorosa, e sim, cheia de alegria – assim o corpo e a mente se conectam e trazem paz interior.

Apesar de ser uma atividade com baixo impacto, a ioga requer atenção. Para começar a praticar a atividade, o idoso deve consultar seu médico para saber se pode realizar todas as atividades relacionadas. No primeiro dia de aula, repasse as informações que seu médico te deu para seu instrutor, pois dessa maneira ele poderá te indicar quais exercícios são os mais indicados.

 

Fonte: Vivo Mais Saudável

Menopausa

Postado por: Mundo Verde em 8 de agosto de 2014

A menopausa, muito conhecida por mulheres entre os 45 e os 55 anos, é caracterizada pela falta de menstruação por um período de 12 meses consecutivos e a baixa produção de estrógeno. Por conta disso, as mulheres sentem ondas de calor, suores noturnos, insônia, pouco desejo sexual, irritabilidade e depressão, ressecamento vaginal, diminuição da atenção e osteoporose.

shutterstock_147098678

A osteoporose é muito comum por conta da diminuição na produção de estrógeno, que é quem protege o osso. A falta de ingestão de cálcio, vitamina D, zinco e magnésio também colaboram para o desenvolvimento da doença. Para evitar problemas como esse, sugerimos alguns alimentos.

Soja e derivados: contém isoflavonas que têm estrutura química bastante semelhante à do estrógeno (hormônio), se ligam aos seus receptores, evitando o surgimento dos sintomas indesejáveis da menopausa. É fonte de cálcio auxiliando na prevenção e tratamento da osteoporose.

Semente de gergelim: excelente fonte de cálcio, evita que os ossos fiquem mais frágeis e, conseqüentemente, mais suscetíveis a fraturas.

Linhaça: rica em lignana, que é um fitoquímico que por apresentar uma estrutura química similar ao estrógeno, pode ajudar a prevenir os sintomas da menopausa.

Chá de folha de amora: Auxilia no alívio dos sintomas da menopausa, principalmente os calorões.

Grão de bico e leguminosas (ervilha, lentilha, feijões) e oleaginosas: fontes de zinco que promove aumento da atividade da vitamina D e é essencial para a formação óssea.

Fonte: Mundo Verde

Sistema imunológico

Postado por: Mundo Verde em 6 de agosto de 2014

A estação mais fria do ano traz o risco das chamadas “doenças de inverno”. Elas aparecem porque o clima frio deixa nosso sistema imunológico mais debilitado. Nesta época o sistema imunológico precisa de reforço para evitar o surgimento dessas doenças e por isso é importante ter uma alimentação saudável para preservar a saúde do corpo.

shutterstock_140220601

A ingestão regular de alimentos ricos em vitaminas, minerais e fitoquímicos pode estimular o sistema imunológico a nos proteger dessas doenças. E como a prevenção é o melhor caminho, é importante manter uma alimentação saudável. Confira algumas vitaminas e minerais que são essenciais para manter a imunidade em dia:

Vitamina A – cenoura, abóbora, batata doce, damasco seco, brócolis, melão.

Vitamina C – goji berry, laranja, acerola e outras frutas cítricas, kiwi, caju, tomate e vegetais folhosos.

Vitamina E – gérmen de trigo, óleos vegetais, oleaginosas (nozes, amêndoas, castanhas, avelã, amendoim, pistache).

Ácido fólico –feijões e vegetais verde escuros.

Zinco – carnes brancas, cereais integrais, feijões e nozes.

Durante o inverno, é comum em muitas pessoas o aumento do apetite, por isso, cuidado com excessos alimentares para não ganhar peso. Continue praticando exercícios físicos e se alimentando de forma saudável.

Fonte: Mundo Verde

 

Câncer de próstata

Postado por: Mundo Verde em 4 de agosto de 2014

Poucas pessoas sabem, mas um em cada quatro brasileiros a partir dos 50 anos vai enfrentar problemas e alterações na próstata. Esses problemas podem causar micções noturnas frequentes, interrupção da urina, dificuldade para urinar, gotejamento, tudo isso podendo evoluir para o câncer. O câncer de próstata é a terceira causa de morte mais frequente entre os homens, e quando diagnosticado precocemente tem grandes chances de cura.

Para o diagnóstico da doença é necessária a realização de exames clínicos e laboratoriais: o toque retal e a dosagem do antígeno prostático específico ou PSA. Por isso, é importante fazer os exames regularmente.

shutterstock_109356128

Alguns alimentos podem ajudar a evitar a doença: tomates e seus derivados, como a polpa e o molho, devido a presença de licopeno, um potente antioxidante, podem reduzir o risco de desenvolvimento de alguns tipos de câncer, inclusive o de próstata. Mas é fundamental que os tomates sejam orgânicos, por serem livres de agrotóxicos e apresentarem mais flavonoides, que são substâncias com propriedade antioxidante.

O brócolis, couve-flor e repolhos também possuem uma substância com enxofre chamada de “sulfarofano”, que age nos danos das células.  A goiaba também possui licopeno, mesmo antioxidante presente nos tomates. Já a soja e a linhaça controlam a produção de testosterona.

Além da alimentação saudável, a prática de exercícios é importante para manter a qualidade de vida elevada.

 

 

Fonte: Mundo Verde

Snacks saudáveis

Postado por: Mundo Verde em 1 de agosto de 2014

Nessa época de volta as aulas, todos os pais e cuidadores começam a pensar no que colocar nas lancheiras de seus filhos. Sabendo que uma alimentação pobre em nutrientes pode prejudicar até mesmo o rendimento escolar das crianças, ocasionando falta de energia e disposição. Além desses problemas, doenças como obesidade e diabetes são resultados de escolhas alimentares que fazemos na infância. Por isso, vamos dar dicas de alimentos para os seus pequenos.

shutterstock_110016491

1 – Alimentos integrais

Quando for montar o sanduíche do seu filho, procure opções mais saudáveis, como pães integrais. Procure cookies integrais e barrinhas de cereais, já que esses alimentos promovem maior saciedade e, dessa maneira, eles acabam comendo menos durante o dia.

2 – Frutas

Coloque frutas já cortadas em pequenas embalagens, para facilitar o manuseio. Pedaços de maçã e uvas podem ser boas pedidas, por serem docinhas. Sucos de frutas também devem ser incluídos no cardápio no lugar de refrigerantes. Uma boa opção é a água de coco ou o suco de maçã.

3 – Junk food

Os pais ou cuidadores devem dar o exemplo em casa, seguindo uma vida mais saudável e se alimentando da maneira correta. Não proíba, mas limite o acesso do seu filho a comidas cheias de calorias e corantes.

4 – Hábitos

Todos os hábitos da vida da criança devem ser mudados. Desde o café da manhã mais saudável até a última refeição do dia, tudo deve ser pensado no bem estar de seu filho e da sua família. Evite colocar salgadinhos e refrigerantes em casa, e procure trocar pães brancos por pães integrais e lanches da tarde por opções mais saudáveis como castanhas, frutas e barrinhas de cereal.

 

Fonte: Mundo Verde

Evitar a gripe

Postado por: Mundo Verde em 30 de julho de 2014

Com a mudança repentina na temperatura, muitas vezes ficamos doentes com mais frequência. Para que a gente consiga tratar e evitar essas doenças, listamos alguns alimentos que podem ajudar a reforçar seu sistema imunológico e que podem te ajudar a evitar algumas doenças do frio. Mas não espere a enfermidade aparecer para fazer mudanças no cardápio. Reavalie sua dieta e seu estilo de vida antes que seu corpo fique suscetível aos vírus. Beber muito líquido e praticar atividades físicas regularmente ajudam na prevenção também.

shutterstock_41057989

Alho: Fonte de alicina, estimula a resposta imunológica no combate a doenças. Por ser um alimento fitoterápico, estimula o organismo a combater a infecção e atua diretamente no sistema imunológico.

Chá branco: rico em catequina, é um poderoso antioxidante e ainda fortalece o sistema imunológico. Além disso, ele melhora a condição dos dentes e gengivas e deixa a pele mais bonita e radiante.

Frutas cítricas: Laranja e limão, entre outros, são famosos no combate a doenças de inverno graças à alta concentração de vitamina C, que age na reconstituição dos leucócitos em períodos de queda de resistência.

Gengibre e mel: O gengibre, por ser expectorante, ajuda a reduzir a inflamação e a dor. Já o mel, rico em proteínas, vitaminas e minerais, ajuda na formação de anticorpos que fortalecem o organismo.

Castanha-do-brasil: ricas em proteínas, em gorduras saudáveis e em selênio, um mineral que é essencial para a função imunológica adequada. Além disso, podem ajudar a proteger o organismo de infecções e de resfriados. A recomendação de consumo é de 1 a 2 unidades por dia.

Semente de girassol: uma das melhores fontes naturais de vitamina E, um antioxidante que protege as paredes celulares de danos. Uma única colher de sopa contém 30% da ingestão diária recomendada de vitamina E.

 

Fonte: Saúde iG / Mundo Verde