27 de January de 2015

Dicas para dormir bem no verão

Postado por: Mundo Verde em 26 de janeiro de 2015

Não se sabe ao certo se o calorão que temos sentido tem a ver com aquecimento global, se está diretamente relacionado com o desmatamento de nossas florestas, falta de chuvas, poluição ou concentração urbana; provavelmente se deva ao conjunto disso tudo. E é um fato que estamos sentindo na pele algo que não era comum antes. Está mais calor.

Parece quase impossível sobreviver em qualquer ambiente sem um ar condicionado ligado. Se durante o dia é difícil, à noite é insuportável. O ideal é que todo adulto tenha de sete a oito horas de sono por noite. E uma boa qualidade de sono é fundamental para que o corpo tenha sua função hormonal equilibrada.

Para conseguir dormir melhor com um calor desses, há alguns truques. Você já tem o seu?

Confira algumas dicas:

- Banho morno refresca e ajuda a relaxar.

- Vestir meias úmidas e deixar o ventilador ligado ajudam a refrescar os pés na hora de dormir.

- Hidrate-se ao longo do dia e não apenas na hora de deitar, para não ficar com vontade de ir ao banheiro durante a madrugada.

- Use roupas leves e frescas.

- Prefira lençóis de algodão e linho aos sintéticos, porque esquentam menos.

- Deixe o quarto arejado durante o dia, e, se possível, uma brecha na janela também à noite, para o ar circular.

- O ar-condicionado deve estar com o filtro limpo e funcionar em torno de 24 graus. Como o aparelho resseca o ar, deixe uma bacia de água no quarto.

- O ventilador também é uma alternativa refrescante para os dias mais quentes. Evite que seja barulhento e que não fique virado direto para o corpo.

- O travesseiro deve ser arejado e feito de material que evite a proliferação de ácaros, fungos e bactérias, capazes de desencadear crises alérgicas.

- Evite atividades que exijam muita concentração ou que elevem o nível de ansiedade (como filmes de ação ou suspense) próximo à hora de dormir.

- Evite exercícios vigorosos perto da hora de dormir.

- Bebidas estimulantes como o chá verde e o café devem ser evitadas no período noturno.

Tenha bons sonhos!

 

Fonte: IG

 

 

Cientistas do MIT desenvolvem super bateria para carros

Postado por: Mundo Verde em 23 de janeiro de 2015

O conceito de carro híbrido e elétrico é uma grande inovação sustentável, mas ainda há a dificuldade de popularizar seu uso, já que o desempenho do automóvel deixa a desejar e o custo é mais alto se comparado a um veículo tradicional.

O grupo de cientistas decidiu encarar o desafio de desenvolver baterias que entrariam para o grupo de 400 milhas por carga, ou seja, 643.74 quilômetros. Daria para ir de São Paulo a Belo Horizonte sem precisar recarregar.

Os pesquisadores usaram um método considerado perigoso nos anos 70, com eletrodos metálicos, mas, que com o avanço da tecnologia, tornou-se seguro.

Mais eficiente e mais barato

Hoje, as montadoras de carros elétricos trabalham com algo em torno de US$ 400 por kilowatt-hora, mas com o novo conceito o valor cai para menos da metade: US$ 130 por kilowatt-hora.

Torcemos para que a descoberta de novas tecnologias tornem os meios de locomoção mais limpos e baratos.

Sabemos que nenhum tipo de geração de energia ou combustível é 100% limpo e renovável, mas se tivermos mais opções e informação, nos sentiremos mais livres e responsáveis por nossas escolhas.

Fonte: Universo Jatobá

Sem geladeiras, comunidades usam caixa que conserva alimentos

Postado por: Mundo Verde em 21 de janeiro de 2015

Na agricultura, trabalhadores rurais precisam manter suas colheitas bem refrigeradas para evitar o desperdício de alimentos. Tempo e energia são fundamentais para a boa preservação da colheita. Mas em comunidades carentes em países em desenvolvimento, essa prática é cara demais; muitas vezes, ter geladeira é luxo.

Pensando nisso, para resolver essa corrida contra o tempo, o designer belga Arne Pauwels criou a Wakati, uma espécie de caixa capaz de armazenar de 200 kg a 400 kg de frutas e vegetais mantida com energia solar.

A ideia pode ter grande impacto nos rendimentos dos agricultores e nas vidas das famílias locais.

Como funciona?

Um pequeno painel solar de três watts fica em cima da caixa. A energia gerada alimenta um ventilador que, gradualmente, evapora a água de um pequeno reservatório. O sistema cria um ambiente úmido e fresco dentro do Wakati. É preciso apenas um litro de água por semana.

Mas o Wakati não pode ser considerado uma geladeira, pois não controla a temperatura. Não é, portanto, uma solução de longo prazo. Mas pode ser útil para conservar alimentos frescos por mais tempo em condições desfavoráveis.

Alimentos que duram dois dias, podem durar até 10 dias, se armazenados na caixa. O que reduz as perdas e aumenta o lucro dos produtores.

A tecnologia está em fase de testes e cerca de 100 sistemas já foram fornecidos por regiões necessitadas no Haiti, Afeganistão e Uganda. Cada caixa deverá custar 100 dólares.

O Wakati é um exemplo de que ideias simples podem fazer toda a diferença para melhorar a vida de comunidades mais carentes. E com criatividade também podemos ajudar a mudar nosso entorno.

Fonte: Superinteressante

Sedentarismo é a maior causa de problemas de saúde no Brasil

Postado por: Mundo Verde em 19 de janeiro de 2015

É um consenso que temos cada vez mais informação disponível sobre como ter uma melhor alimentação e por que devemos dedicar tempo aos exercícios físicos – somos um povo conhecido por cultuar o corpo. Mas é surpreendente o resultado da PNS – Pesquisa Nacional de Saúde de 2013, que mostra que as doenças crônicas – associadas ao excesso de peso, ao baixo consumo de verduras e frutas e ao sedentarismo – respondem por mais de 70% das causas de mortes no Brasil.

É para se pensar

A pesquisa reforça a necessidade da prática de atividade física, que deve ser estimulada por políticas públicas.

É necessário que o governo incentive a prática por meio de ações que estimulem a população, começando pelas crianças na escola. Por exemplo, a disciplina de educação física já não é mais obrigatória em alguns estados. Ser mais ativo é um hábito, que certamente começa na infância e é uma questão cultural.

A falta de planejamento das cidades também é um agravante. Nem todos têm condições de pagar uma academia mês a mês, mas também não há espaços públicos suficientes, de qualidade e com segurança ao alcance da maioria, principalmente das periferias.

Vivemos no modo: fazemos o que podemos. Mas é preciso mais. Aqueles que se adaptam são aqueles que se destacam e colhem mais benefícios. Por isso, apesar das dificuldades, crie coragem para criar um hábito. Em casa mesmo, antes do trabalho, antes de dormir, no momento em que for possível.

Quer viver mais e melhor? Então, mexa-se.

 

Fonte: Exame

Que palavrão é esse: obsolescência programada

Postado por: Mundo Verde em 16 de janeiro de 2015

O que você prefere: “felizes para sempre” ou “que seja eterno enquanto dure”? Poderíamos estar falando de um casamento, mas essas frases também pode se encaixar na relação que temos com os produtos tecnológicos hoje em dia.

No tempo de nossos avós, casamento era para sempre, tinha que ser conservado para que durasse uma vida, alguns probleminhas podiam surgir, mas logo tudo voltava ao seu lugar. Agora, é comum e totalmente aceitável que uma relação seja passageira, que dure o tempo de um suspiro, ao menor sinal de tédio ou confusão, é possível terminar tudo, sem olhar para trás. Pensamos: o seguinte pretendente deve estar me esperando e pode ser melhor. E a história se repete.

Nossa relação com bens de consumo, principalmente produtos tecnológicos, tem seguido a mesma linha da efemeridade. Antes, uma geladeira era feita para durar a vida toda, agora, o mesmo produto pode durar apenas um curto período; já estamos esperando o próximo lançamento que vai ficar lindo quando terminarmos a reforma da cozinha.

A esse fenômeno dá-se o nome de obsolescência programada. Uma estratégia de empresas que programam o tempo de vida útil de seus produtos para que durem menos do que a tecnologia permite. Tornando-os ultrapassados em pouco tempo, motivando o consumidor a comprar um modelo novo.

Eletrônicos, eletrodomésticos e automóveis são os casos mais comuns. Até a década de 1920, as empresas desenhavam seus produtos para que durassem o máximo possível. Mas a crise econômica de 1929 e a explosão do consumo em massa nos anos 1950 mudaram a mentalidade e consagraram essa tática. Uma estratégia “secreta” dos fabricantes para estimular o consumo desenfreado.

É difícil ir contra a corrente, mas podemos pensar um pouco mais antes de trocar aquele DVD grandão, que ainda funciona, por um mais fininho e menor.

A troca regular de produtos aumenta a produção de lixo. E o lixo eletrônico contém metais pesados que podem contaminar o ambiente.

Para saber mais: O documentário The Light Bulb Conspiracy mostra um consumidor dos EUA cuja impressora parou de funcionar. Ele descobriu que o fabricante incluía um chip que causava pane após certo número de impressões. Assista aqui: http://vimeo.com/44111988

O outro lado: Para alguns, a obsolescência programada não existe. Alguns especialistas refutam a existência dessa prática. Para eles, os bens de consumo se tornam ultrapassados rapidamente por causa do avanço da tecnologia, que dá saltos cada vez maiores.

E você? Quando foi a última vez que trocou algum aparelho por um modelo mais novo?

Fonte: Planeta Sustentável

Calor do verão prejudica os cabelos, saiba como evitar os danos

Postado por: Mundo Verde em 14 de janeiro de 2015

Sol é vida, mas o excesso dele no verão pode danificar os cabelos. Há cuidados simples que garantem fios mais saudáveis, mesmo na estação mais quente do ano.

No calor, ficamos mais tempo expostos ao ar livre e nossos cabelos acabam sofrendo com o sol, a água salgada do mar, os produtos químicos usados na piscina e com o vento.

Segundo Daniel Fernandes Melo, coordenador do departamento de cabelos e unhas da Sociedade de Dermatologia do Rio de Janeiro, o ressecamento é um dos danos mais comuns. “O fio se divide em três camadas: medula, córtex e cutícula. A cutícula é a maior prejudicada, pois é a proteção externa do fio. O excesso de calor acaba agredindo essa camada, deixando o cabelo mais ressecado e quebradiço”.

Mas calma, tem solução! Confira as dicas:

- Evite secador, chapinha e modeladores no verão.

- Cuide do cabelo durante o ano inteiro, faz toda a diferença.

- Ao longo do ano, faça hidratações ao menos uma vez por mês.

- Protetores solares para os fios ajudam muito a minimizar os danos.

- Use chapéus, bonés, lenços, etc., principalmente se tiver cabelos quimicamente tratados.

- Se estiver na praia, hidrate os fios sempre que sair da água salgada e for tomar um banho.

- Se realmente precisar usar o secador, use jatos frios a uma distância de 15 centímetros da raiz.

Bom verão!

 

Fonte: IG

O lixo que escondemos debaixo do tapete

Postado por: Mundo Verde em 12 de janeiro de 2015

Já parou para pensar sobre o que acontece com o lixo gerado em todo o mundo? Você tem coleta seletiva no seu bairro? O recolhimento e o destino dos dejetos produzidos é um assunto que te preocupa?

Estamos tão preocupados em consumir, em ter, que o ato de “jogar fora” pode ser equivalente ao de se libertar do que é velho, do que acumulamos, deixamos pra lá aquele peso que nos atrapalhava. O que não prestamos atenção é que essa carga toda não desaparece como mágica. A podridão é afastada de nossos olhos, mas ela continua existindo.

Sabia que 80% do consumo privado do mundo é realizado por apenas 20% da população? E a cada 1% de crescimento nos países emergentes, o lixo acumulado cresce 0,69%. É uma montanha que não para de crescer.

De acordo com a ONU e o Banco Mundial, nas últimas três décadas, a geração de resíduos sólidos urbanos cresceu três vezes mais rápido que a população. Os sete bilhões de habitantes produziram 1,4 bilhão de toneladas de lixo e em 10 anos chegará a 2,2 bilhões de toneladas. Metade desse lixo é gerada pelos 34 países mais ricos do planeta. O Brasil é considerado o quinto na lista dos campeões do lixo com 78 milhões de toneladas em 2014.

Por aqui, apenas 58,3% dos resíduos têm destinação final adequada. Ou seja, 41,7% são depositados em lixões e aterros “controlados”, porque dos mais de cinco mil municípios do país, 3.334 ainda fazem uso de locais impróprios para a destinação final de resíduos. Isso acontece mesmo que a legislação determine desde a década de 1980 que é proibido jogar lixo em qualquer lugar.

O que fazer com essa montanha de lixo? A Confederação Nacional dos Municípios diz que são necessários investimentos de R$70 bilhões para atender a demanda dos municípios que jogam os resíduos no lixão.

Também há de se levar em conta os benefícios que o setor de resíduos podem trazer à economia do país. Uma pesquisa do Banco Mundial apontou que se 42% dos resíduos sólidos jogados em lixões a céu aberto fossem aterros sanitários – onde o chorume e o metano são coletados – o aproveitamento do biogás e a compostagem criariam 110 mil novos empregos nos próximos 18 anos e acrescentariam US$35 bilhões na economia.

Qual a sua sugestão? Não vale só puxar a descarga.

Fonte: Envolverde

Ioga: conexão entre corpo e mente

Postado por: Mundo Verde em 9 de janeiro de 2015

Fazer exercícios de forma regular é uma recomendação unânime para melhorar a qualidade de vida e prevenir o aparecimento de algumas doenças. Há uma infinidade de tipos de atividades físicas que podem se encaixar ao perfil de qualquer pessoa.

Por exemplo, a ioga é uma forma de exercício que combina força, flexibilidade e respiração com o objetivo de aumentar o bem-estar físico e mental. Há diversos tipos de ioga, tântrica, Hatha e Ashtanga, entre outros.

Ioga é o caminho prático natural para a integração de nossa essência interior com o mundo exterior e com o próprio Universo. É filosofia e também ciência, e dentro dessa ciência existe uma metodologia, onde são inseridos os exercícios que visam o equilíbrio psicossomático, com reflexos positivos em todo o organismo.

Um dos precursores da prática no Brasil, Hermógenes de Andrade (RJ), de 82 anos, fala em um sentindo mais espiritual: “Embora pareça ginástica, é infinitamente mais e melhor do que isso. Funciona como um bê-á-bá, um curso de alfabetização capaz de amparar no nobre caminho da ação, no doce destino da devoção, no difícil terreno da sabedoria, da vitória sobre a ignorância, no problemático controle da mente.”

Segundo o pensamento yogue, o corpo é nosso “instrumento de ação” e a mente nosso “instrumento de percepção”. Quando nossos instrumentos estão bem afinados, cuidados, sadios e em harmonia, gozamos de boa vitalidade e inteligência.

Conheça os benefícios da prática de ioga:

- Reduz o estresse

- Regula o funcionamento dos sistemas digestivo e respiratório

- Melhora o sono

- Promove a permanente sensação de bem-estar

- Equilibra a produção hormonal

- Alonga os músculos

- Melhora a qualidade de vida

- Aumenta a capacidade de concentração e criatividade

Gestantes também podem praticar, mas somente após o terceiro mês e desde que liberadas pelo médico. Durante as aulas, fazem exercícios respiratórios, de fortalecimento do assoalho pélvico, além de relaxamento, meditação e posturas de equilíbrio.

Já decidiu como equilibrar corpo e mente em 2015? Experimente praticar ioga.

 

Fonte: Albert Einstein

Que tal fazer um pouco de ginástica mental?

Postado por: Mundo Verde em 7 de janeiro de 2015

Nossa mente precisa se exercitar e relaxar. Em nossa rotina acelerada, sobrecarregamos o cérebro com a pressão sofrida no trabalho, na escola ou mesmo em casa, além de sermos bombardeados por informação. Muita coisa é útil, e outras tantas deveriam ser excluídas para liberar espaço para o que interessa.

O ano apenas inicia. Pare um pouco, relaxe, respire profundamente.

Sente-se numa cadeira de encosto reto e assento firme, de preferência de madeira. Fique na metade do assento para poder se movimentar melhor. Pés paralelos, pernas afastadas, na direção dos quadris. Respire calma, profunda e lentamente, mas sem esforço algum. Olhe para o lado direito, até lá atrás, e observe até onde seus olhos conseguem enxergar. Não force, e registre esse ponto. Faça o mesmo para o lado esquerdo e também registre o ponto até onde você consegue enxergar.

Inspire e na expiração gire a cabeça para a direita, mas agora mantenha o olhar fixo à sua frente. O movimento vai ser menor e mais difícil, repita 8 vezes, sempre com o olhar fixo à frente. Gire para a esquerda e repita o movimento.

Experimente, basta imaginar, visualizar e sentir como você quer ser.

 

Fonte: Todos Somos Um

Musculação: por que os treinos estão cada vez mais curtos?

Postado por: Mundo Verde em 5 de janeiro de 2015

Quem faz musculação há algum tempo deve se perguntar por que os treinos, gradativamente, ficaram mais curtos, com menos volume e repetições.

Isso ocorreu depois de diversas pesquisas sobre intensidade muscular; treinos com muitas séries e repetições se mostraram ineficientes, pois o estímulo excessivo que damos aos músculos não é o fator principal, devemos nos preocupar com a quantidade ideal para que eles possam se recuperar e progredir.

Hoje em dia, a maioria das academias prescreve um treino de 2 exercícios com 3 séries para cada agrupamento muscular, mas há um consenso que sugere que se pudermos fazer 3 exercícios com 2 séries de movimentos iguais, o resultado será semelhante (exemplo: supino reto com halteres, supino reto com barra e supino reto no Smith). Isso deixa claro que o volume total do treinamento é mais importante do que o volume de cada exercício.

Converse com seu orientador físico sobre isso e aperfeiçoe seu treino!

 

Fonte: El Hombre